Comentário de Alunos

Comentário de Alunos

Eduardo Uehara (Curso por Correspondência)

Ponto de partida

Estágio 3A

Tenho conhecidos japoneses e muitas vezes não conseguia entender o que eles falavam.

Estágio Atual: Estágio B

Hoje já consigo me comunicar com eles.

Eduardo Uehara (Curso por Correspondência)

Comentário de Alunos

Saber japonês tem me ajudado muito no ambiente de trabalho

Já estudei o material do Kumon pelo curso em classe, mas como minha rotina de trabalho ficou muito intensa, apesar de haver uma unidade a menos de cem metros do lugar onde moro, optei pelo estudo por correspondência.

O curso de língua japonesa do Kumon por correspondência me ofereceu aquilo que eu mais queria: flexibilidade. Como eu estudo por correspondência, não preciso ir à unidade do Kumon nem me preocupar com o horário de atendimento. Minha rotina de trabalho é muito intensa, e precisava de um curso que se ajustasse a essa minha rotina.

Minha principal meta de estudo é poder me comunicar sem problemas. Tenho conhecidos japoneses e muitas vezes eu não conseguia entender o que eles falavam. Hoje já consigo me comunicar com eles, mas não vou me dar por satisfeito: quero melhorar ainda mais e aumentar minha capacidade de conversação. Saber japonês também tem me ajudado muito no ambiente de trabalho. Além de melhorar a relação com os outros funcionários, o trabalho tem sido mais produtivo, sem tantos problemas.

Para quem está pensando em estudar japonês, recomendo começar a estudar o quanto antes. Para tudo que fazemos na vida, força de vontade e capacidade de ação são fundamentais. Escuto as pessoas dizerem “eu tenho que aprender japonês”, mas não agem. Para quem está pensando em aprender japonês, recomendo “agir” e começar logo a estudar.

Rayana Fujii (Curso por Correspondência)

Ponto de partida

Estágio C

Eu não tinha um bom vocabulário.

Estágio Atual: Estágio D

Os conhecimentos adquiridos no Kumon são extremamente úteis quando tenho que enviar correspondências em japonês.

Rayana Fujii (Curso por Correspondência)

Comentário de Alunos

Tenho que enviar cartas em japonês e os conhecimentos adquiridos no Kumon são extremamente úteis.

Vim ao Japão para trabalhar e, antes de estagiar na universidade onde estudo, fui líder de seção em uma fábrica. Havia situações em que era necessário falar sobre os problemas da seção e argumentar com os chefes em japonês. Como eu não tinha um bom vocabulário, sentia uma certa barreira. Sei que ainda tenho muito que aprender, mas se dominasse a língua tanto quanto domino hoje, teria ajudado bastante. Hoje, no meu estágio, tenho que enviar correspondências em japonês, e os conhecimentos adquiridos no Kumon são extremamente úteis.

Um dos motivos de ter escolhido o Kumon e estar continuando a estudar japonês é ter uma orientadora. Quando nos encontramos online, minha orientadora conversa comigo sobre os meus estudos, corrige minha pronúncia. Mesmo quando bate aquele cansaço, saber que tem alguém torcendo por mim e trabalhando junto comigo para que eu alcance bons resultados é muito motivador. Isso me dá a força que preciso para conciliar os estudos na universidade e no Kumon com o trabalho.

Pretendo continuar morando no Japão e desejo melhorar ainda mais minha qualidade de vida. Para conseguir isso, sei que preciso saber falar o idioma com fluência. Pode demorar um pouquinho, mas vou conseguir. Então poderei aproveitar tudo o que o Japão oferece. Assim como tenho consciência de que, para conseguir um bom emprego no Japão, é necessário primeiro me qualificar. E o Kumon está me dando essa oportunidade de qualificação.

Fábio Yoshikazu Nakata (Curso por Correspondência)

Ponto de partida

Estágio 2A

Apesar de ter estudado japonês no Brasil, meus colegas de trabalho não me entendiam.

Estágio Atual: Estágio F, Concluiu até Estágio E

Eu consigo me comunicar com meus superiores e colegas de trabalho em japonês!

Fábio Yoshikazu Nakata (Curso por Correspondência)

Comentário de Alunos

Aprendendo e aperfeiçoando a língua japonesa

Trabalho há 14 anos numa empresa japonesa. Atualmente moro em Aichi e trabalho numa fábrica de assentos para carros.
Cheguei ao Japão junto com meu pai quando ainda cursava o ensino médio. Apesar de ter estudado japonês no Brasil, meus colegas de trabalho não me entendiam. Mesmo assim, dava um jeito com o que eu sabia. Entretanto, passei por situações muito difíceis. Uma delas foi quando fui passear em Tóquio sozinho e não pude me comunicar com as pessoas ao perguntar a plataforma dos trens, horários, etc.
Assim, quando me mudei para Shimane, matriculei no Curso por Correspondência do Kumon com Sessões de Leitura Online. Desde então, tenho estudado japonês todos os dias, escutando o CD e resolvendo as apostilas. Envio as apostilas para a orientadora a cada duas semanas, e participo das sessões de leitura online duas vezes ao mês para fazer a checagem da leitura e da pronúncia, e tirar as dúvidas das lições.
Terminei sete estágios em nove meses de estudo, e agora consigo me comunicar com meus superiores e colegas do trabalho em japonês! Consigo ir ao hospital, à prefeitura ou delegacia sem a ajuda de intérprete, posso ler cardápios em restaurantes, tomar trens, etc.
Inicialmente minha intenção era estudar a língua japonesa para resolver o problema de comunicação no meu trabalho. Mas agora, conhecendo o idioma dos meus avós, acabei gostando do Japão e quero aperfeiçoar meu japonês ainda mais para abrir o “leque” de oportunidade de empregos.

Edson Hiroshi Assato(Curso em Classe)

Ponto de partida

Estágio A

Comecei a estudar japonês no Kumon para poder usar no dia a dia e desenvolver a capacidade de leitura e escrita.

Estágio Atual: Estágio G, Concluiu até Estágio F

Consigo me comunicar com os colegas de trabalho, ler legendas de filmes, revistas e livros.

Edson Hiroshi Assato(Curso em Classe)

Comentário de Alunos

Quero trabalhar no mesmo patamar dos japoneses.

Moro há 7 anos no Japão e trabalho numa fábrica de reciclagem de eletrodomésticos.
Trabalho por sistema de cotas e não por hora. Por isso, dependendo do dia ou tempo, ou pela falta de funcionários ou condições das máquinas, o horário de término do trabalho varia muito! Eu pensava que não podia estudar japonês porque meu tempo é curto.
Mas um dia, observando minha irmã que lia fluentemente um comunicado da escola, fiquei admirado, e logo decidi estudar japonês também.
Procurei o Kumon porque meus amigos e minha filha estudaram lá. Desde então, frequento a classe duas vezes por semana e estudo aproximadamente uma hora. Os professores japoneses dão suporte aos alunos, corrigindo suas lições, tirando as dúvidas e motivando a estudar mais.
Já se passaram quinze meses desde que comecei a estudar no Kumon. Hoje consigo me comunicar com os colegas de trabalho, ler legendas de filmes, revistas e livros pois aprendi muitas palavras, ideogramas e expressões novas. Além disso participo da reunião matutina da minha empresa, apresentando ideias para melhoria da qualidade e segurança no trabalho.
Terminando o curso de Nihongo, vou começar a fazer o de Kokugo(avançado) para poder trabalhar no mesmo patamar dos japoneses.

Cláudia Endo (Curso por Correspondência)

Ponto de partida

Estágio 4A

Escolhi o Kumon porque me proporciona estudar de acordo com o meu ritmo de trabalho.

Estágio Atual: Estágio E, Concluiu até Estágio D

Meu estudo no Kumon está sendo excelente e minha orientadora também!

Cláudia Endo  (Curso por Correspondência)

Comentário de Alunos

Perdi muito tempo esperando “ter tempo”

Acho que isso deve acontecer com outras pessoas também: fiquei bastante tempo esperando que diminuísse o ritmo de trabalho para começar a estudar japonês.

Fiquei bastante tempo esperando “ter tempo” e hoje já penso que perdi muito tempo pensando assim. Resolvi então aproveitar melhor qualquer tempinho que tivesse em casa e ir estudando aos poucos.
Ainda que seja pouco a pouco e devagar, eu sei que estou aprendendo alguma coisa. Escolhi o Kumon porque me proporciona estudar de acordo com o meu ritmo de trabalho.

Além de ter o material sempre em mãos para poder estudar, tem também os encontros com minha orientadora online. O estudo com os CDs me permite conferir se minha pronúncia está correta e durante as sessões de leitura, minha orientadora me dá o OK final. Além de escutar minha leitura, minha orientadora também tira minha dúvidas e me incentiva bastante, o que faz com que eu tenha forças para estudar mesmo com este ritmo de trabalho bem intenso. Meu estudo no Kumon está sendo excelente e minha orientadora também é excelente!

Tadao Yoshida(Curso em Classe)

Ponto de partida

Estágio 4A

Apesar de só conversarmos em japonês em casa, não desenvolvi a parte de leitura e escrita.

Estágio Atual: Estágio I, Concluiu até Estágio H

Já domino a leitura e escrita de hiragana, katakana e muitos ideogramas.

Tadao Yoshida(Curso em Classe)

Comentário de Alunos

Quando ocorre algum problema no trabalho, já tenho autoconfiança para tentar resolver sozinho

Com apenas dois anos fui ao Brasil junto com meus pais.

Apesar de só conversarmos em japonês em casa, não desenvolvi a parte de leitura e escrita em japonês. Enquanto meus pais estavam trabalhando, tinha que ficar cuidando dos meus irmãos e por isso não pude me dedicar aos estudos de japonês como gostaria. Uma das primeiras coisas que percebi logo quando cheguei ao Japão é a necessidade de saber ler e escrever em japonês.

Um amigo que morava no mesmo prédio me apresentou o Kumon. Poucos meses depois da matrícula, já havia dominado a escrita e a leitura de hiragana e katakana e já estava aprendendo a ler e a escrever kanjis.

Sempre estive ocupado com o trabalho, mas como pelo Kumon quem define o ritmo de estudo é o aluno, posso aproveitar o pouco tempo disponível que tenho e me dedicar aos estudos. O que deixei de aprender durante anos, aprendi em poucos meses.

Além disso, a eficiência no trabalho vem aumentando cada dia mais. Quando ocorre algum problema no trabalho, já tenho autoconfiança para tentar resolver sozinho, sem precisar estar chamando alguém para me ajudar a ler as mensagens que aparecem nos equipamentos.

Minha meta maior é conseguir ler jornais ou revistas em japonês e para isso sei que se eu não estudar, não vou conseguir vencer minha meta. Com meu desejo de aprender e o suporte dos orientadores sei que vou conseguir. Pode até demorar um pouquinho, mas vou conseguir.

Karina Nagashima(Curso em Classe)

Ponto de partida

Estágio 4A

Quando cheguei no Japão não sabia quase nada de japonês e isso me preocupava.

Estágio Atual: Estágio I, Concluiu até Estágio H

Agora tenho fluência na leitura, compreendo melhor o que as pessoas falam a minha volta e pronuncio corretamente.

Karina Nagashima(Curso em Classe)

Comentário de Alunos

Dentro de pouco tempo me dei conta que já estava conseguindo ler hiragana e katakana

O Japão possui uma cultura própria e se estamos vivendo no Japão, devemos ser capazes de compreender a língua e cultura local. Só assim vamos ser capazes de viver com independência.

Não sabia quase nada de japonês e isso me preocupava. Por isso decidi entrar no Kumon. Comecei pelo primeiro estágio e dentro de pouco tempo me dei conta que já estava conseguindo ler hiragana e katakana e entender o que aparecia a minha volta. Logo depois do estudo do katakana, iniciei o estudo dos kanjis.

Comecei a ter fluência na leitura, compreender melhor o que as pessoas falam a minha volta e a pronunciar corretamente. Escutar o CD todos os dias foi fundamental para que eu alcançasse esse nível.

Para poder fixar o conteúdo faço revisões do material e procuro seguir as recomendações do orientador. Assim, consigo assimilar o conteúdo com mais facilidade.

Quando saio para fazer compras ou quando tenho que me locomover de trem vejo o quanto que é necessário saber japonês para poder viver bem aqui.

Topo da página

Curso por Correspondência Formulário de Matrícula

Curso em Classe Busca de Unidades

Material Informativo

Para quem é aluno do Kumon:Mande avisos para seu orientador por aqui

Perguntas Frequentes

Kumon no Mundo